O que é EAN e como deve ser utilizado?

O código EAN é um instrumento que precisa ser devidamente assimilado pelas empresas. Isso porque ele traz informações mais completas sobre os produtos. Logo, isso faz com que dados sobre a origem dos itens sejam facilmente identificados.

Pensando em dar legitimidade ao produto, o código EAN é a solução ideal. É por isso que preparamos este conteúdo. Saiba mais sobre esse padrão e como ele pode ser importante para o lojista, para o gerente de estoque e para o consumidor em geral.

O que é EAN?

EAN é sigla para European Article Number. Na prática, este é o nome oficial daquele número de identificação global de produtos que aparece no código de barras aqui no Brasil. Como é um número padrão, praticamente o mundo todo segue essa estrutura, que varia de 8 a 13 dígitos. As exceções são os EUA e o Canadá, que costumam fazer uso do código UPC.

No geral, cada produto tem um EAN. Isso quer dizer que ele apresenta um código que identifica esse item em lojas, mercados, plataformas online e demais ambientes de vendas.

Com o EAN é possível identificar produtos por marca, modelo, tamanho, cor, entre outros. Até o país de origem do fabricante também é informado.

E isso vale para qualquer lugar do mundo que trabalhe com o EAN. Mesmo um produto vendido no Japão pode ser identificado por sua origem brasileira. Na prática, isso facilita muito o acesso à informação, o que é útil para os diferentes agentes envolvidos no processo.

Qual a importância do EAN?

Em resumo, o EAN é o documento de identificação do produto. É uma espécie de RG que vai acompanhar o item ao longo de toda a sua vida útil. Assim, ele permite que cada item seja exposto adequadamente. Isso simplifica a troca de informação entre a empresa e fornecedores e facilita a ação do cliente.

O motivo é que com esse código não é necessário digitar os detalhes dos produtos a cada processo realizado. Estes estarão sempre disponíveis quando alguém acessar o código.

Pense em um produto que começa a ser vendido em um e-commerce, por exemplo. Neste caso, é possível que a loja online simplesmente resgate as informações geradas pelo produtor usando o EAN  e assim tenha como descrever com precisão os diferenciais do produto de maneira automática.

No geral, o EAN traz as seguintes informações:

- o país de origem do produto, representado pelos 3 primeiros dígitos;
- a empresa fabricante, representada por um número exclusivo de 4, 5 ou 6 dígitos;
- a variação de um produto produzido por essa empresa, representado por um número entre 3, 4 ou 5 dígitos;
- o dígito verificador.

 

Como o EAN é utilizado?

Em tempos em que as plataformas digitais ganham cada vez mais espaço, o uso do EAN se mostra ainda mais relevante.

Mais do que isso, o código de barras serve para simplificar a logística no transporte do produto até o cliente, ajudar a identificar as características mais importantes e fazer todo o processo ter um fluxo mais interessante. Para quem controla o estoque isso é fundamental.

Para usar o EAN, pense que cada produto deve estar associado a um único código EAN. Assim, se sua empresa vende camisetas e seu estoque possui uma branca e outra preta, ambas com 3 tamanhos, P, M e G, então você precisará gerar 6 EANs.

1- Um para a camiseta preta de tamanho P.
2 - Um para a camiseta preta de tamanho M.
3- Um para a camiseta preta de tamanho G.
4 - Um para a camiseta branca de tamanho P.
5 - Um para a camiseta branca de tamanho M.
6 - Um para a camiseta branca de tamanho G.

Para conferir esses códigos, basta fazer buscas a partir de marketplaces usando o código EAN. Caso eles já tenham sido registrados, as informações sobre ele aparecerão na tela.

Informações relevantes sobre o EAN

Sempre que se vê um código EAN, sabemos que se trata de um conjunto de informações sobre determinado produto. Assim, existe uma parte gráfica representada por barras.

Ela é uma espécie de representação ilustrada da numeração. Seu funcionamento segue o princípio binário, ou seja, o código envolve os números 0 e 1. Assim ele pode ser facilmente identificado por sistemas como os usados em leitores de supermercado.

Além disso, o dígito verificador serve para validação dos leitores de códigos de barras. Assim que a leitura é realizada, os sistemas fazem um cálculo que confere a informação. Estando tudo correto, o resultado bate com o dígito verificador. Havendo variação, o leitor precisa fazer novamente a leitura.

A Associação Brasileira de Automação

Para trabalhar com o EAN em seus produtos é preciso fazer a filiação na chamada GS1 Brasil. É isso que fará com que o código de barras de um produto seja validado. Para tanto, basta acessar o site oficial do órgão e preencher as informações exigidas.

A primeira dela é se o responsável pelo código é Pessoa Física ou Jurídica. A partir de então é necessário inserir os dados pessoas e empresariais, se for o caso.

Em seguida, devem ser enviados os documentos para os canais de recebimento da entidade. Sendo analisados e aprovados esses documentos, o interessado precisa pagar uma taxa de inscrição e a anuidade. Isso pode ser feito via boleto bancário por e-mail.

Só então é possível criar a identificação dos produtos e escolher o código de barras a ser utilizado.

5 motivos para criar o EAN do produto pensando no estoque

O primeiro é ter maior facilidade para identificar as mercadorias. Com o EAN, tanto a expedição quanto a gestão logística e o rastreio podem ser simplificados, gerando uma série de facilidades para a empresa lidar com seu produto no mercado.

O segundo motivo é ter maior controle sobre os dados dos produtos. Assim, entre outros, o prazo de validade de itens perecíveis pode ser identificado mais rapidamente.

O terceiro motivo é a facilidade que o EAN oferece para quem deseja cadastrar seu produto online, como em ambientes como o Google Shopping, por exemplo.

Além disso, podemos citar a melhora na relação com distribuidores como o quarto motivo. Isso se dá por conta da confiabilidade dos dados.

Por fim, o quinto motivo é a legalidade. Com o EAN o produto está codificado para circular em todo o território nacional e em boa parte do mundo. Na prática, esse costuma ser um verdadeiro diferencial para os fabricantes.

O controle de estoque e sua importância

Qualquer indústria precisa ter uma preocupação especial com o seu estoque. É ela que vai garantir que todos os processos ocorram adequadamente. De maneira que a solução a ser entregue para o cliente tenha o máximo de qualidade possível.

Para tanto, é preciso considerar etapas que vão do início ao fim desse processo. As empresas devem ter ações claras de acompanhamento de ponta a ponta. E isso parte do distribuidor e chega até o varejo e o consumidor final. É nessa lógica que um termo ganha maior importância: o acompanhamento.

É fundamental criar meios para potencializar o acompanhamento das informações. Especialmente as referentes ao estoque dentro dessa cadeira de eventos. Nesse sentido, o uso da codificação EAN pode ser entendida como um recurso estratégico para ser usado pela empresa e seus gestores.

Com ela é possível fazer os registros e acompanhar passo a passo a movimentação das mercadorias ao longo de todo o processo. Isso torna o acompanhamento dos itens um diferencial do empreendimento.

Em resumo, o EAN é especialmente importante para o controle de estoque porque é um instrumento de acompanhamento essencial para uma empresa que trabalha com uma quantidade grande de ativos.

Como usar o EAN na gestão do estoque

No geral, cuidar do estoque é sinônimo de organizar. Para tanto, é preciso ter maior cuidado com tudo o que diz respeito à informação.

Assim, o EAN permite justamente esse controle sobre o processo. Ele acompanha o produto desde a chegada até sua saída. Dessa forma é possível identificar, por exemplo, se um item está mais tempo parado no estoque do que deveria, se há uma demanda que precisa ser melhor avaliada pela empresa, entre outras situações.

Na prática, com o EAN é possível ter uma visão holística do empreendimento, capaz de evitar erros e atrasos nas entregas.

Consequentemente, essa é uma forma de gerenciar e controlar recursos financeiros da empresa.

Para tanto, basta adotar a codificação e sofisticar a gestão do estoque da empresa trabalhando com a informatização. Usando a tecnologia no controle do estoque é possível coletar dados, armazená-los e transformá-los em informação preciosa para a tomada de decisão dos gestores.

E com a metodologia EAN a descrição desses ativos se torna ainda mais precisa, algo que certamente é útil não só para as ações de quem lida com o estoque, mas de todos os envolvidos com o processo empresarial.

As vantagens do EAN para o seu negócio como um todo

No geral, o EAN facilita a identificação dos produtos registrados. E por se tratar de um modelo padronizado, seguido por praticamente o mundo inteiro, ele garante que a solução que a sua empresa coloca no mercado seja acessível para um público maior.

Além disso, ele apresenta vantagens na redução de erros nos processos internos e na padronização dos serviços da empresa.

Tudo isso com segurança e mais fácil assimilação dos processos pelos colaboradores. Também vale destacar que o EAN oferece controle sobre o estoque da empresa.

Sem falar na facilidade para implementar a solução em todo o negócio. Há ainda a possibilidade de contar com mais dados de maneira ágil e confiável.

No geral, com o EAN é possível contar com informações viáveis para tomadas de decisão e ferramentas para o crescimento empresarial.

Os diferentes tipos de códigos de barras

O EAN é um tipo de metodologia possível. Considerando a realidade do nosso mercado, é certamente a mais indicada. Só que além dela existem outras, como o UPC, que significa Universal Product Code, ou Código Universal do Produto, em português. Este é um método mais utilizado em países como os Estados Unidos e o Canadá.

Basicamente, a diferença entre o UPC e o EAN se dá na quantidade de números que compõem sua estrutura numérica. Enquanto o código de barras do EAN conta com 13 dígitos, o UPC conta com 12.

Para o empreendedor, o importante é entender que se ele produz visando os mercados desses países, vale a pena gerar um código próprio para aquela realidade e usá-lo na embalagem.

Além disso, existe também o código DUN. Neste caso, seu uso é mais indicado para situações em que é preciso fazer a identificação de lotes, e não unidades de produtos.

Assim, empresas que trabalham com conjuntos de mercadorias, podem ganhar produtividade gerando um código com 14 dígitos, como é comum ao DUN.

Por fim, existe também o SKU. Neste caso, trata-se de uma codificação interna. Não há um padrão previamente determinado, cabendo à empresa elaborar a combinação de números e letras de acordo com sua organização própria. O SKU não é feito para ser rastreado por um leitor de código de barras padronizado.

Como trabalhar com o EAN na prática

Um grande diferencial do EAN em relação a metodologias como o SKU, por exemplo, é que o EAN é útil para controle interno, quanto externo. Assim ele faz o que o SKU consegue, mas vai além, permitindo também o rastreamento, a localização do produto, a viabilização de uma melhor gestão de estoque e a qualificação do processo de compra.

Vale lembrar que o código permite cadastrar o produto e fazer o registro de dados fundamentais, como preço, quantidade, entre outros.

Pensando em empresas que trabalham com marketplaces, por exemplo, é fundamental trabalhar com o EAN. Entre outros motivos, porque isso permite que eventuais fiscalizações das mercadorias sejam feitas com maior facilidade pelos órgãos responsáveis.

Para o lojista, isso evita problemas como falsificações e ilegalidades de diferentes tipos. Como o EAN descreve os detalhes dos produtos, isso faz com que mesmo os anúncios sejam aprovados mais rapidamente nas plataformas.

Quais produtos precisam de um código de barras EAN

A realidade é que todos os produtos precisam de uma identificação clara, que os diferencie dos demais.

Uma empresa que trabalha com camisas, por exemplo, certamente conta com mais de um modelo e esses modelos se diferenciam em relação a tamanho, cor e tipo.

Assim, uma camisa verde, com as mesmas medidas de outra de cor amarela, sempre terá seu código exclusivo. E isso dá à empresa um controle sobre cada produto, seja ele comercializado no Brasil ou em qualquer outro país.

Vale lembrar que marketplaces como o Mercado Livre, por exemplo, e as Americanas.com exigem essa adequação para os produtos registrados em suas plataformas. Logo, se a empresa quiser anunciar nelas, será preciso se adequar a essa condição.

Agora que sabe sobre EAN, confira também como programar o recebimento de mercadorias do seu armazém.

OnBlox é uma empresa de desenvolvimento de softwares para gerenciamento logístico.

Deixe seu Comentário

Informações

Se você deseja conhecer mais sobre nossos produtos, ou simplesmente fazer uma visita ao nosso escritório, fale conosco através do formulário de contato.