6 principais cuidados com a suspensão de caminhão

Saiba como garantir que a suspensão de caminhão esteja em ordem na sua empresa.

Algumas situações parecem irrelevantes até trazerem prejuízos para o negócio. É o caso de problemas envolvendo a suspensão de caminhão. Somente quem já passou por percalços em relação a isso, sabe a importância de se preocupar com a estabilidade e o conforto que ela é capaz de oferecer.

Assim, a pergunta que fica é: o que fazer não só para garantir o pleno funcionamento da suspensão, mas também para tornar a sua vida útil mais longa?

Para responder, nós preparamos uma série de dicas que vão deixar você em dia com esse tema para nunca mais correr o risco de passar por surpresas desagradáveis.

1. Saiba o que é e como funciona a suspensão de caminhão

O que chamamos de suspensão de caminhão na realidade é o sistema que atua para que o contato entre os pneus e o solo se dê de maneira segura e eficaz. É ele que age com o intuito de absorver os impactos constantes de maneira a garantir a estabilidade do caminhão.

Assim, quanto mais sofisticado é esse sistema, maior é a tendência de o veículo funcionar com segurança no trânsito e oferecer conforto para os motoristas e passageiros, pois sua função é fazer com que o pneu se mantenha em contato com o solo, respeitando as características do veículo.

Quando há suspensão mecânica no caminhão, por exemplo, existe um feixe de molas semielípticas, popularmente chamadas de lâminas. Assim, ao passar por um desnível na estrada, cabe aos feixes absorverem o impacto para o veículo, se esticando. Isso faz com que as vibrações se reduzam e o sistema se mantenha estável.

A despreocupação com esse elemento pela empresa pode trazer sérios prejuízos, como por exemplo, a descoberta de irregularidades nos pneus, o consumo anormal, o próprio comprometimento da dirigibilidade, entre outros.

2. Entenda a importância da suspensão de caminhão

Suspensões são essenciais para garantir o conforto para quem dirige os veículos da empresa. Além disso, elas também conferem qualidade para os caminhões. Uma vez que estão funcionando de maneira adequada, são elas as responsáveis por filtrar eventuais irregularidades nas estradas tão comprometidas do país sem que esse impacto seja sentido dentro da cabine.

Dessa forma, mesmo nas vias mais acidentadas, o motorista não corre o risco de ter sua direção prejudicada pelo conhecido chacoalhar do veículo, assim como também não corre maiores riscos de comprometer a mercadoria.

Outro ponto a se destacar: é a suspensão de caminhão que faz com que o contato do veículo com o solo se dê de maneira segura, evitando o surgimento de problemas principalmente em regiões de aclive e declive.

Em resumo, a suspensão é elemento central na busca por uma maior qualidade nas entregas que a empresa faz. Ela atua ao proporcionar a segurança e eficiência que o motorista precisa para guiar nas estradas.

Assista ao vide abaixo e saiba com ser um gestor de frotas de sucesso!

3. Conheça os tipos mais comuns e suas características

Considerando veículos em geral, existem diferentes tipos de suspensões encontradas, sendo os principais o que você vê a seguir.

Barra de torção

Sistema bastante antigo, empregado, inclusive, em carruagens mesmo antes da criação dos automóveis. Sendo assim, foi o modelo predominante nos veículos até a década de 1950. Carros como os da marca Volkswagen, por exemplo, tornaram-se célebres com suas barras de torção em suspensão traseira.

Sua composição é feita por material flexível, capaz de absorver irregularidades do pavimento a partir de energia elástica, o que dispensa o uso de molas e amortecedores.

Por conta disso, esse sistema apresenta baixo custo na manutenção, além de robustez mecânica para lidar com situações adversas. Ainda assim, seu comportamento dinâmico tende a sofrer um abalo maior no recebimento de carga, uma vez que as rodas se fecham com o desgaste, tornando a eficiência do amortecimento relativamente baixa.

Mc Pherson ou telescópica

Quando pensamos em veículos modernos, precisamos ter em mente que este é o modelo mais comum. Seu conjunto padrão apresenta molas e amortecedores telescópicos nas 4 rodas, que são independentes na parte dianteira e são conectados por braço arrastado na parte traseira.

Geralmente contam com sistemas de molas e amortecedores construídos na vertical sobre bandejas que ligam o conjunto de suspensão à carroceria.

Também possuem barras estabilizadoras que tornam o sistema mais rígido, além de buchas e batentes que controlam a ação de molas e amortecedores.

Como vantagem, esse sistema oferece conforto e estabilidade, além de manutenção simplificada. Entretanto, possui capacidade reduzida de carga para transporte.

Feixe de molas

Bastante utilizado em veículos de carga, este tipo de suspensão de caminhão suporta grande quantidade de peso sem que isso cause prejuízo em termos de comportamento dinâmico ou distensão do conjunto.

Em resumo, feixes de molas são basicamente uma sofisticação do sistema de barras de torção, sendo compostos por lâminas que se sobrepõem e que deslizam uma sobre a outra, de tal forma que elas voltam à sua posição inicial assim que a carga é retirada ou o impacto é absorvido.

Como vantagem, apresenta a exigência baixa de manutenção, dispensando molas helicoidais e amortecedores. O feixe de molas absorve a carga e os impactos somente contando com a elasticidade dos materiais que o compõe.

Ainda assim, é um sistema que pode não oferecer tanto conforto e estabilidade para o motorista.

Duplo “A”

Muito comum em carros de competição, é o sistema mais indicado na busca por estabilidade e comportamento dinâmico, pois oferece independência nas 4 rodas.

Também é importante destacar a versatilidade desse modelo, que surge em decorrência de seu peso e tamanho reduzidos. Assim, molas e amortecedores podem ser montados tanto na horizontal quanto na vertical, comprimindo e distendendo de acordo com as necessidades.

Apesar disso, sua manutenção tende a ser mais complexa e, consequentemente, mais cara, assim como a busca por componentes também não costuma ser muito fácil. Outro ponto negativo está no conforto, que não é dos melhores.

Multilink

Por fim, este sistema é uma evolução do duplo “A”, pois corrige suas deficiências mais aparentes sem abrir mão das qualidades. Por isso, é bastante eficiente, oferecendo estabilidade e conforto. Por ser independente nas 4 rodas, permite que elas trabalhem de maneira individualizada.

Além disso, seus braços podem ser desenvolvidos de acordo com as características de cada veículo, gerando economia de peso e espaço. Além de entregar a estabilidade do duplo “A”, o faz sem perda de conforto ou a exigência de molas mais rígidas.

Até por conta disso, é o sistema que apresenta o maior custo tanto na sua produção quanto na manutenção.

4. Conheça os componentes da suspensão de caminhão

As molas

Atuam na redução de impactos causados por pistas irregulares, seja por conta de buracos, quebra-molas, entre outros. Elas são fundamentais para que a absorção da mudança radical nas rodas não traga impactos somente sobre o veículo.

As molas podem ser do tipo helicoidal ou de feixe. As helicoidais são formadas por uma barra de aço que é enrolada em um eixo invisível. Já o chamado feixe de molas conta com diferentes barras de ferro semicurvadas que precisam de um sistema de suspensão de caminhão mais avançado.

Os amortecedores

São os amortecedores que atuam para que a roda mantenha o devido contato com o solo sem que problemas provocados pela falta de aderência comprometam o veículo. Também são eles os responsáveis pelo controle do sistema de molas, fazendo com que sua abertura e fechamento sejam feitos sempre de acordo com o impacto na pista.

Em resumo, são os amortecedores que dão ao motorista o devido conforto para guiar o caminhão, proporcionando, inclusive, o trabalho com maior concentração.

O braço oscilante

A conhecida “bandeja de suspensão” é diretamente conectada à roda do chassi do carro. Com ele é possível determinar o alinhamento das rodas e fazer o suporte de força do veículo durante as curvas.

Por estar mais próximo às rodas e ao chão, este componente recebe grande impacto no dia a dia. Para evitar que a sequência deles tragam problemas como a perda de controle sobre o caminhão, é importante agendar revisões constantes sobre a peça.

O pivô

Liga componentes como o chassi e o telescópio, sendo muito importante durante o processo de aceleração e realização de curvas.

Assim, tem uma importância grande na funcionalidade do caminhão especialmente considerando situações como aceleração e curvas, onde se espera o suporte para maior quantidade de peso e força para manter o controle do veículo.

A barra estabilizadora

É responsável por dar estabilidade ao veículo diminuindo a rotação da carroceria dele nas curvas. Também é útil para impedir que o caminhão não sobrecarregue o sistema de suspensão de caminhão nesse tipo de movimento.

Ele é feito a partir de uma barra grande de ferro que se acopla ao chassi que, por sua vez, atua na junção de dois braços de suspensão de um mesmo eixo, dando maior estabilidade para o veículo.

Clique aqui e aproveite para avaliar sua logística gratuitamente!

5. Aprenda a evitar problemas com a suspensão de caminhão

Existem alguns pontos fundamentais que devem ser observados pelo motorista e também pelos responsáveis pela frota. Com eles, os erros referentes à suspensão de caminhão diminuem e, consequentemente, os problemas se tornam menores.

Respeite o limite de carga

As duas referências fundamentais em relação à carga transportada nas estradas brasileiras são:

  • a chamada Lei da Balança, responsável por limitar o peso das cargas em circulação nas rodovias e;

  • o próprio limite dados pelo fabricante.

De qualquer forma, é importante ter o cuidado necessário para evitar que a carga em excesso traga algum tipo de desequilíbrio sobre a suspensão de caminhão. Esse tipo de problema é capaz de fazer com que os amortecedores não funcionem adequadamente, o que pode ser identificado quando o motorista realiza curvas acentuadas ou quando tem a frenagem prejudicada.

Faça a manutenção preventiva

A melhor maneira de identificar e, consequentemente, corrigir problemas nos sistemas dos veículos é realmente fazendo a manutenção preventiva.

No geral, a manutenção preventiva é sempre recomendada para qualquer tipo de atividade envolvendo veículo. É ela que permite que os ativos da empresa estejam em dia com as exigências e assim diminua a incidência de imprevistos, como os acidentes de trânsito, por exemplo.

Uma média interessante para se trabalhar em relação à suspensão de caminhão é estabelecendo sua revisão a cada 10 mil quilômetros rodados.

Além disso, vale a pena pensar em outros processos e equipamentos que precisam ser constantemente reavaliados para que a frota esteja em ordem.

Realize a lubrificação dos amortecedores

Também é importante que os caminhões sejam enviados às oficinas para que seja feita a lubrificação dos amortecedores.

Isso tem grande valor, pois caso não haja lubrificação adequada, existe o risco de haver sobrecarga no sistema de suspensão de caminhão.

A lubrificação ajuda a evitar o acúmulo de sujeira, proporcionando maior vida útil aos amortecedores.

Prepare o alinhamento e o balanceamento

É preciso pensar no desgaste natural também dos amortecedores e da suspensão de caminhão. E para prever o excesso deles, o alinhamento e o balanceamento são fundamentais.

6. Elabore um padrão para realizar as manutenções

Criar uma política que viabilize a manutenção dos veículos no tempo certo é algo inevitável. Isso porque, além dos problemas proporcionados pela situação da pavimentação em nossas estradas, é fato também que boa parte dos prejuízos são causados pelo mau uso dos veículos. Sendo assim, é importante pensar em revisões e manutenções constantes dos caminhões.

O ideal é que essas revisões sejam feitas periodicamente, de acordo com prazos definidos em função de tempo ou de quilometragem. Geralmente, isso é estabelecido pela própria montadora, afinal, são elas quem melhor conhecem os produtos que colocam no mercado, considerando, entre outros elementos, o arco de desgaste dos componentes dos veículos. Dessa forma, quando você segue o critério definido pelas montadoras, a tendência é que consiga fazer revisões no momento certo, de maneira a conseguir aumentar a vida útil do seu veículo e tornar sua atividade mais produtiva.

Dentro dessa lógica, a já citada manutenção preventiva também se destaca, pois é ela que permite a você estar sempre reavaliando a capacidade do seu ativo, identificando eventuais desgastes antes que eles comecem a comprometer a qualidade de seus veículos.

É esse tipo de abordagem que permite a você fazer substituições, por exemplo, da suspensão de caminhão antes de as peças atingirem seu limite, o que pode evitar desperdício de dinheiro em substituições, além de outros problemas como ter uma máquina parada quando a sua empresa precisa dela para rodar.

Leia também Manutenção preditiva, preventiva e corretiva: o que são e quais as diferenças?

 

OnBlox é uma empresa de desenvolvimento de softwares para gerenciamento logístico.

Deixe seu Comentário

Informações

Se você deseja conhecer mais sobre nossos produtos, ou simplesmente fazer uma visita ao nosso escritório, fale conosco através do formulário de contato.